Publicado em Blog, Direitos Humanos & Terceiro Setor, Produção

17 de maio – Dia Internacional de Combate à LGBTfobia

SINT-IFESgo integra ações do 17 de maio, dia internacional de combate à LGBTfobia

O SINT-IFESgo participou hoje, 17 de maio, de audiência pública sobre o “Dia Internacional e Estadual de Combate à LGBTfobia”, realizada na Assembleia Legislativa de Goiás, por iniciativa da deputada estadual Isaura Lemos, da vereadora de Goiânia Tatiana Lemos e do vereador de Aparecida de Goiânia William Panda.

Na oportunidade foi realizada homenagem a ativistas LGBTs do Estado, dentre as quais nossa diretora de Relações Étnico-Raciais, Gênero e Diversidade Sexual do SINT-IFESgo, Michely Coutinho, que recebeu o Prêmio Orgulho LGBT. Michely Coutinho, que iniciou seu ativismo ainda no movimento estudantil, foi uma das cofundadoras do Coletivo Colcha de Retalhos em 2005, primeiro coletivo LGBT da UFG, juntamente com o nosso atual vice-diretor da pasta Dorivan Borges Filho. Juntos, agora como técnico-administrativos, integraram importantes ações como a comissão que criou a Coordenadoria de Ações Afirmativas da UFG (CAAF/UFG) e a que regulamentou a adoção do nome social na universidade. Também foram homenageados durante a audiência pública Lucas Fortuna, também cofundador do Colcha de Retalhos, assassinado em 2011 vítima de LGBTfobia, bem como seu pai Avelino Fortuna, o Pardal, que hoje milita pelos direitos LGBTs, integrando o movimento nacional “Mães pela Diversidade”.

A data de hoje marca um histórico de luta pelos direitos LGBTs. Entre 1948 e 1990, a Organização Mundial da Saúde (OMS) classificou a homossexualidade como um transtorno mental. Em 17 de maio de 1990, a Assembleia Geral da OMS aprovou a retirada do código 302.0 (Homossexualidade) da Classificação Internacional de Doenças, a partir do qual a homossexualidade não constituiu-se mais como doença, distúrbio ou perversão, e sim livre manifestação da sexualidade humana, como a heterossexualidade.

O SINT-IFESgo integra diversas ações sindicais, institucionais e do movimento social na luta diária contra a LGBTfobia e está à disposição da categoria para toda e qualquer denúncia que implique em assédio ou discriminação no ambiente de trabalho. Respeito e tolerância são fundamentais para o alcance de qualidade de vida no trabalho e o exercício da plena cidadania. Aproveitamos a oportunidade para convidar todas trabalhadoras e trabalhadores técnico-administrativos para a primeira reunião do Grupo de Estudos “Trabalho, Diversidade e Sociedade” do nosso GT Diversidade, lançado no último Março Mulher pelo SINT-IFESgo. O texto escolhido é o “​Teoria Queer uma política pós-identitária para a educação​​”, de Guacira Lopes Louro. Os encontros serão realizados ordinariamente nas últimas terças-feiras de cada mês. E no mês de maio será no dia 29 às 17h no Auditório da Sede Administrativa do SINT-IFESgo. Para mais informações e recebimento do texto em pdf, envie email para diversidade@sint-ifesgo.org.br.

SINT-IFESgo é Diversidade!

Fonte: http://www.sint-ifesgo.org.br/noticias/5516/

Fotos:

1

 

Anúncios
Publicado em Blog

Economia Feminista e Economia do Cuidado

Palestra na disciplina “Mulheres e igualdade de gênero na Engenharia”. Tema “Economia Feminista e a Economia do Cuidado”. Palestrantes: Michely Coutinho e Analine Specht. Dia 19 de abril, das 8h50 às 10h30, na EECA-UFG, no Setor Universitário. Bloco A, 2° andar da EECA, na sala Caryocar.

Contato: email@michelycoutinho.com.br

► REFERÊNCIAS:

  1. Dona Ivone Lara lembra da época que não podia assinar seus sambas
    (Programa Esquenta com Regina Casé, TV Globo, 8 de março de 2015).
    Link: https://globoplay.globo.com/v/4019182/
  1. Entrevista – Emma | Cartunista discute “peso invisível” do trabalho doméstico para as mulheres
    (Carta Capital, 13/02/2018)
    https://www.cartacapital.com.br/diversidade/cartunista-discute-peso-invisivel-do-trabalho-domestico-para-as-mulheres

Tradução brasileira por Bandeira Negra:
https://www.facebook.com/bandeiranegraanarquismo/photos/a.465331177192249.1073741856.138556116536425/465331397192227/?type=3
Um quadrinho feito pela Emma traduzido do francês pela Bandeira Negra
Post original : https://www.facebook.com/pg/EmmaFnc/photos/?tab=album&album_id=441158706220346
Post em inglês: https://english.emmaclit.com/2017/05/20/you-shouldve-asked/Post em espanhol: https://www.facebook.com/sutil.motosierra/media_set?set=a.1159830374162841.1073741833.100004076679511&type=3&pnref=story
obs: nao concordamos com a forma de que algumas coisas foram colocadas nesse quadrinho, mas acreditamos que é um otimo material e que precisa ser compartilhado e publicado o quanto antes.
obs 2: o quadrinho foi traduzido do francês, então tivemos que adaptá-lo. na parte que fala do estudo feito pelo IBGE, aqui o link da fonte:
http://ultimosegundo.ig.com.br/brasil/2015-03-05/90-das-mulheres-fazem-tarefas-domesticas-entre-homens-indice-chega-a-40.html

Publicado em Blog, Na mídia

#BlogFem entrevista candidatas feministas: Michely Coutinho

Estamos publicando uma série de entrevistas com candidatas a vereadoras de várias cidades brasileiras, que declaram-se feministas, com o objetivo de publicizar propostas e incentivar maior participação das mulheres na política.

Michely Coutinho é candidata a vereadora pelo PT na cidade de Goiânia/GO.

Coligação: PT/PCdoB/PEN/PPL. Pagina do Facebook: Michely Coutinho

1. Você pode fazer um resumo sobre sua trajetória política até essa candidatura?

Sou advogada, educadora, radialista, servidora técnica da UFG e ativista social. Atualmente ocupo as funções de diretora de Relações Étnico-Raciais, Gênero e Diversidade do SINT-IFESgo (Sindicato dos técnico-administrativos da UFG, IFG, IF Goiano e Ebserh), de Responsabilidade Social da FAJE-Goiás (Federação das Associações de Jovens Empreendedores de Goiás), e da Associação Mulheres na Comunicação – AMARC Brasil, onde integro a produção dos programas “Palavra de Mulher”, Rádio Difusora e do “Voz da Mulher”, Rádio Universitária. Iniciei minha trajetória de ativismo enquanto diretora do CAXIM – Centro Acadêmico Onze de Maio, da Faculdade de Direito da UFG (2000, 2002 e 2003), quando também fui coordenadora-fundadora do NAJUP-UFG / Núcleo de Assessoria Jurídica Universitária Popular (2003-2004), onde comecei na luta pelos direitos humanos.

Minha atuação no mundo do trabalho, iniciou-se ainda na faculdade, quando estagiária do Tribunal Regional do Trabalho TRT-18ª Região (2004), pesquisadora PIBIC/CNPq (2003-2004) sobre sindicalismo e monitora da disciplina de Direito do Trabalho da Faculdade de Direito da UFG (2003). Em 2005 tomei posse no Banco do Brasil, tendo sido assistente de negócios empresariais até o ano de 2013. Enquanto bancária, tive militância sindical, co-fundando o Coletivo Bancários Goiás | NÓS Bancários – Núcleo de Oposição Sindical. Em paralelo, minha luta pelos direitos humanos assumiu a pauta feminista e LGBT, tendo co-fundado o Coletivo Colcha de Retalhos (2005-2015). Em 2013 tomei posse como servidora técnica da UFG e, além da militância sindical na UFG, integrei ações e programas importantes de inclusão e ações afirmativas, como a comissão que regulamentou o nome social na UFG e a criação da CAAF – Coordenadoria de Ações Afirmativas.

Enquanto feminista, desde o movimento estudantil pautamos a igualdade entre mulheres e homens, o protagonismo da mulher na política, a autonomia sobre suas decisões e sobre seu próprio corpo. E trabalhamos muito. Marchas do Março Mulher, Marcha das Vadias, seminários, cursos de formação e capacitação, conferências, rodas de conversa… Sempre estivemos na luta! Sempre estivemos presente.

2. Quais você considera que são os principais problemas a serem enfrentados pelas mulheres hoje?

Dos vários que podemos elencar como trabalho, educação, saúde, destaco a violência contra a mulher. Não é possível que em pleno ano de 2016 ainda tenhamos números epidêmicos de assassinatos e estupros tal qual no Brasil. Números que ainda hoje encontram “justificativa” em uma roupa, por exemplo. O Brasil precisa enfrentar a cultura do estupro e superar agentes políticos que não tenham compromisso com essa pauta. Em uma sociedade em que a violência de gênero não foi resolvida, quer dizer que o marco civilizatório não foi consolidado. Não podemos abrir mão da vida e integridade de nossas mulheres.

3. Qual tema feminista você tentará ter como foco caso seja eleita?

Nossa trajetória demonstra compromisso com várias pautas feministas, tal qual o programa mínimo da Plataforma “Vote numa Feminista”. E, em virtude de nossa atuação, destaco três focos: trabalho, educação e combate à violência. É fundamental garantirmos políticas públicas que empoderem as mulheres e lhes garantam autonomia financeira e equidade no mercado de trabalho, com igualdade de oportunidades e salários. Acesso a programas de microcrédito e fomento à economia solidária e criativa são estratégias importantes que o Poder Público pode incentivar.

A educação tem sido uma militância orgânica ao lado de coletivos e da comunidade acadêmica. Não podemos abrir mão de uma educação que paute gênero e diversidade, que se paute pela crítica e pela tolerância. Estamos acompanhando desde a tramitação dos planos de educação, o municipal e o estadual, e agora a questão da censura e mordaça aos professores nas escolas. Em Goiás, além do movimento nacional de praticamente criminalizar o professor, vilanizando e subestimando sua atuação, há ameaças de privatização com OS´s e a crescente militarização do ensino. Como terceiro ponto, os índices de violência contra a mulher são alarmantes em Goiânia. Continuamos nos primeiros lugares do ranking nacional, e é preciso de mais políticas públicas que garantam a vida e a integridade de nossas mulheres.

4. Quais as dificuldades em ser uma candidata feminista no sistema político brasileiro?

Infelizmente, a grande maioria dos partidos ainda encara uma candidatura feminina como “cota”. Tenho dialogado com mulheres do meu partido e de outros e a situação difere muito pouco entre as legendas. O sistema político brasileiro é machista. Se autodeclarando feminista, os narizes até dos correligionários torcem muito mais, ou ignoram mais. Enfrentamos uma falta de vontade de renovação.

Particularmente vemos muito mais esforço para reeleger quem já está lá (e que não pautou a questão de gênero) ou os “queridinhos” do partido, muitas vezes o filho de mandatários, como é o caso de Goiânia, pessoas sem lastro na vida política e que reproduzem vícios de fisiologismo e “familiocracia”. Queria poder dizer que partidos de esquerda são diferentes, mas nem sempre. As diferenças até existem, mas no fundo a conclusão é a mesma: o sistema político brasileiro é machista e precisamos avançar muito para superar nossa subrepresentação. Mas não deixaremos de resistir e exigir representatividade e prioridade.

Ver um Congresso brasileiro formado por homens, brancos e supostamente héteros nos dá a demonstração da política brasileira hoje onde a população não se vê representada, e uma pauta conservadora onde a prioridade não é o compromisso com mulheres, LGBTs e negrxs. Ou seja, a grande maioria da população não tem prioridade em seus direitos e conquistas. Mas que sejamos a mudança que queremos.

Autor: Blogueiras Feministas

Somos várias, com diferentes experiências de vida. Somos feministas. A gente continua essa história do feminismo, nas ruas e na rede.

 

Fonte: http://blogueirasfeministas.com/2016/09/candidatas-feministas-michely-coutinho/