Publicado em Direitos Humanos & Terceiro Setor, Michely Coutinho, Sindical

SINT-IFESgo Diversidade: Grupo de Estudos

Grupo de Estudos “Trabalho, Diversidade e Sociedade”
GT Diversidade
SINT-IFESgo
Encontro 1: 29/05/2018, 17h, Auditório do SINT-IFESgo.

 

Anúncios
Publicado em Direito, Direito Previdenciário, Michely Coutinho, Sindical

Funpresp, Regimes de Previdência do Servidor e sua migração

ESCLARECIMENTOS SOBRE A MIGRAÇÃO DO REGIME DE PREVIDÊNCIA DO SERVIDOR
28/05/2018

A A Fundação de Previdência Complementar do Servidor Público Federal (Funpresp) vai realizar a palestra “A Nova Realidade Previdenciária dos Servidores Federais”, ministrada pelo gerente de atuária e benefícios da Funpresp, Dr. Cícero Dias. O evento vai ocorrer no Câmpus Samambaia da Universidade Federal de Goiás (UFG), no dia 29 de maio, às 14 horas.

A atividade, organizada pela Diretoria de Administração de Pessoas/DAP/PRÓ-PESSOAS, em parceria com o SINT-IFESgo e a ADUFG, tem como objetivo informar aos servidores sobre a migração do Regime Próprio de Previdência para o Regime Complementar e a possibilidade de adesão à Funpresp.

Convidados:

  • Eleude Batista Leite (Assistente de aposentadorias da DAP/DP-UFG)
  • Michely Coutinho (Diretora do SINT-IFESgo)
  • Prof. Thyago Carvalho Marques (Professor Associado na EMC e Diretor financeiro da ADUFG)

Na oportunidade, será possível realizar simulações e adesão com a representante da Funpresp, Lidiane Oliveira de Souza, que também está disponível para atendimento individual via agendamento pelo telefone (62) 99301-2849.

Informamos que o evento também será transmitido ao vivo pela RTVE para os servidores da Regional Goiás, Universidade Federal de Jataí (UFJ) e Universidade Federal de Catalão (UFCAT), podendo ser acessado pelo link: http://www.rtve.org.br/

Fonte: UFG
http://www.sint-ifesgo.org.br/noticias/5525/

Publicado em Produção, Trabalho

A Lei Áurea e a nova colonização do trabalhador: seus direitos políticos

Confira a matéria sobre a Lei Áurea e as novas formas de trabalho escravo e assédio com em entrevista que destaco uma nova forma de exploração do trabalhador no século XXI: a colonização dos direitos políticos. Apenas mais recentemente a Justiça passou a autuar com mais veemência sobre empresas que praticam a coação de funcionários para participar de manifestações políticas alinhadas à preferência partidária dos patrões, como foi o caso da Sky noticiado na imprensa. Em ano eleitoral esse tipo de coação se torna ainda mais comum nas relações de trabalho públicas e privadas e é preciso que o funcionário que se sinta lesado faça as devidas denúncias em seu sindicato ou nos órgãos de fiscalização. Lamentavelmente, em pleno 2018 ainda estamos discutindo escravidão e outros retrocessos que acreditávamos constar em um passado sombrio. A reforma trabalhista na prática retroage a várias condições de exploração e indignidade. Sem generalizações, mas várias são as reflexões e constatações que nos demonstram que a escravidão no Brasil nunca foi extinta por completo. Como diz o economista Hélio Santos, o dia 14 de maio de 1888 é o mais longo dos dias da história brasileira, e ainda não acabou.
 
49aab330-39c5-4eab-94ec-37ecc73fec2b.jpg.640x360_q75_box-0,0,960,540_crop_detail.jpg